#Imersão: Girassóis, índias e memórias

É engraçado como nossas histórias são ciclos que não se fecham, ressignificam-se. Era para ser apenas uma roda de conversa com mulheres indígenas Maxakali em Moeda, mas se transformou em um momento nostálgico, repleto de sentido e de fé.

O encontro começou com música, um canto que falava sobre um gavião que perdeu sua casa diante o desmatamento provocado pelo homem branco. A música era a representação do choro do gavião. Chorei com o canto, e com o choro.

Diante aquela cultura, penso por um minuto em quem são os verdadeiros donos de “nossa” terra. Sinto vergonha. Além da vergonha inevitável, impressiono-me com a fala e com o olhar das índias. Era uma fala que representava um olhar que olhava, que enxergava. Era um retrato diferente da natureza, era o outro lado, era a própria natureza que falava. Palavras e olhar não se dissociavam no espaço, mas refletiam uma forma específica de estar no mundo, dançar com a natureza, brincar com ela, ser ela.

Ao final da roda de conversa, eu já estava imersa em uma nova tentativa de olhar, quando começou a exposição dos artesanatos produzidos por elas. Foi aí que a história se refez, trazendo uma lembrança lembrada, marcada na pele, com cheiro, sorriso e lágrima. O artesanato trouxe a história de uma semente que se transformou em tatuagem. Trouxe, de certa forma, a minha história, a recordação de um girassol gêmeo-infinito, uma história de amor, fé e, sobretudo, de esperança.

Essa história começa em 2012, quando minha filha chega da escola com a agenda escolar do ano.

“- Vó, o que é isso?”, pergunta ela para minha mãe.

Minha mãe, rapidamente, responde:

“- São sementes! De girassol!”.

No início, eram apenas sementes. Mas, como toda semente encontra a terra, essas precisavam desse encontro. Claro que minha mãe cuidaria disso. Ela era uma mulher que gostava de plantar. Suas mãos conversavam com a terra úmida. Era um movimento dançante que propiciava uma conversa. Não sei dizer ao certo que conversa era aquele, mas lembro-me de passar horas e horas com ela, observando-a plantar. Vi crescer um pé de manga, de limão, caqui, figo, pitanga, amora, uva. Fora a salsa, a cebolinha, a alface e a couve. Suas plantas eram especiais. Acho que cada uma delas sentia o carinho que recebia. Era bonito vê-la cuidar de sua plantação. Havia respeito ali. Da mesma forma em que ela se doava, as plantas retribuíam o cuidado através de frutos, flores e folhas, através do alimento para o físico e para a alma.

Diante aquelas sementes, minha mãe falou:

“- Vamos plantá-las!”.

Aquela tarde foi dedicada a isso, ao plantio das sementes. As duas prepararam a terra e esconderam as sementes. Minha mãe, num ritual semântico, disse a minha filha:

“- Agora temos que conversar com elas. Vamos falar, ‘nasce sementinha’, ‘nasce sementinha’!”, e minha filha repetia as palavras com afeto e com o desejo de vê-la crescer. Confesso que também repeti as palavras mentalmente, quando cheguei do trabalho e as vi ali, conversando com a natureza.

Todos os dias o ritual se repetia:

“- Nasce sementinha! Nasce sementinha!”, diziam minha mãe e minha filha.

Um dia, no meio do ritual, eis que elas observaram um verdinho sair da terra molhada. Era o girassol que explodia para a vida. Minha filha, nesse dia, esperou-me chegar do trabalho da janela da sala. Ao me ver, gritava:

“- Mãe, mãe, mãe, olha! Olha! Olha! O girassol está nascendo”.

Foi bonito ver o nascimento através de seus olhos. Era o mesmo olhar de respeito, de amor e de fé que vi nas índias, anos e anos depois.

O girassol crescia aos poucos. Ele nos ensinava que o tempo da natureza era diferente do nosso. Nós não sabíamos, ainda, o que sairia dali. Nem sabíamos se flores ele nos daria.

Foi quando um dia, da janela, minha filha gritou ao me ver chegar do trabalho:

“- Mãe, mãe, mãe, tem um botão! Vai nascer um girassol.”

Eu, com os olhos maranhados de água, me surpreendo com a felicidade dela. Ela tinha aprendido a ver a natureza, senti-la. Chorei com a relação que se estabelecia ali.   

E o girassol se desenvolvia. O botão crescia em seu tempo. Minha filha, também. Até que, um dia, ele explodiu. As pétalas começaram a sair como se estivessem sendo expulsas para a vida. Eram muitas e muitas pétalas, ainda sem forma. Um dia, da janela, minha filha gritou ao me ver chegar:

“-  Mãe, mãe, mãe, ele é gêmeo e tem um infinito nele!”.

Eu, mais que depressa, pergunto:

“- Gêmeo? Com infinito? Como assim?”.

Foi quando abri o portão e me deparei com ele. Era uma grande flor amarela, mas não se parecia com um girassol. Não era redondo. Eram muitas e muitas pétalas, um pouco sem forma. Chego mais perto. Olho e vejo. Sim, era um girassol gêmeo. Olho mais de perto e, sim, ele tinha um infinito dentro dele. Fico ali parada, diante aquela flor imensa, imersa. Eu estava estatizada, perplexa com o que via. Era mesmo um girassol gêmeo-infinito. Perdi-me no meu olhar. Ele era, simplesmente, ele. Ele era único, era gêmeo e infinito.

E foi assim que o girassol gêmeo-infinito nasceu e se transformou em história. Ele foi uma resposta da natureza ao amor, ao respeito de minha mãe e de minha filha. Ele foi reciprocidade. Presente. Nós vivemos esse presente por muitos e muitos dias. Foram dias de amor e de fé.

O girassol gêmeo-infinito se foi, minha mãe também. A história não.

Hoje, o girassol-infinito marca minha pele, tornou-se tatuagem, uma forma de lembrança. Mas onde essa história se junta ao artesanato das índias? Eram muitas e muitas peças. Cores que se misturavam, reproduziam.

No meio de tantos e tantos colares, vejo um girassol. Mais que depressa pego-o, um pouco assustada. A índia, vira pra mim e fala:

“- Leve esse. É proteção pra você.”

Olho para ela, meio assustada e sem falar nada, entrego-a o dinheiro, para comprar uma peça sem preço, pelo menos para mim.

Coloco o colar e ele me traz toda a memória relatada aqui. A índia, vendo minha emoção com o colar, pede para tirar uma foto. Tiramos a foto e ela me fala:

“- Esse colar nasceu pra você! Viu que está no centro de seu coração?”.

Sorri, sem falar uma palavra. Ele estava no centro de meu peito e dali ele ativou toda essa memória. Imergi nas lembranças e lembrei que, antes de qualquer coisa, nós somos natureza, somos reciprocidade. Viver é também mergulhar nas oportunidades que a vida nos dá, nas lembranças, nos encontros. Recebemos aquilo que doamos. Elas receberam um girassol gêmeo-infinito. E hoje tenho um grande girassol amarelo iluminando o centro do meu peito.  

Posted In

10 Comments

  1. Eu não sei o que dizer…. Na verdade, me sinto imersa em tamanha história de amor. Estou aqui a procura de uma palavra para concluir e definir, o que sinto nesse momento. E, simplesmente é GRATIDÃO. Gratidão, pela oportunidade única de fazer parte de vocês! Parte de um amor puro, singelo e abençoado.

    Curtir

  2. Lindo, Dani!
    Emocianada aqui ao te ver contar a história do girassol gêmeo, ao presentificar as mãos da sua mãe, que conversava também com linhas, agulhas e tramas e nos presenteou com estandartes de um amor infinito. Embalei ontem o que ela fez pra Laura, quando ela nasceu. 😭🥰

    Curtir

  3. Olá…. engraçado como a vida é, ando aqui “perdido” na internet à procura de como se escreve Girassol no dialecto Maxakali, e pesquisa para cá pesquisa para lá vim aqui parar, é sempre bom ler historias de amor ligadas à natureza aos ensinamentos e aprendizados de alguém… vida real em boas palavras, em um mundo tão cheio de ecrãs e irreal, gostei de saber que um dos Girassóis de sua vida (filha) teve oportunidade de ter esse momento e aprendizado verdadeiro e ancestral com outro Girassol (sua Mãe).

    Estava na esperança de ver escrita a palavra Girassol em Maxakali e em vez de abandonar a sua pagina frustrado, saí de coração cheio.

    Nunca tinha visto um infinito gémeo girassol, obrigado por partilhar esta historia tão bonita com o mundo, gostei muito de ler.
    Em especial gostei também desta sua frase “O girassol gêmeo-infinito se foi, minha mãe também. A história não.”
    Os meus sentimentos, a minha também já se foi e 2 anos depois o meu Pai seguiu o mesmo caminho.

    Estou certo que sua filha também nunca esquecerá, farto-me de falar para os meus amigos para darem mais atenção ao filhos e menos ecrãs, mas ninguém se importa… e um dia mais tarde o que eles e os filhos terão para recordar será absolutamente nada, porque a realidade é essa mesmo, os bens materiais desaparecem e ficam lá para trás na historia da nossa vida, MAS as historias reais e vividas por cada um de nós ficará para sempre na nossa memoria, pelo menos enquanto ela estiver a funcionar claro.

    Mais uma vez obrigado pela partilha 🙂

    Se o meu português parecer estranho, fica a nota que eu sou de Portugal e aqui a escrita é um pouco diferente (dizem), para mim não é, percebo perfeitamente o que se escreve por aí, mas como a maioria dos Brasileiros com quem troco mensagens costuma “reclamar” que não percebem, daí o meu pedido de desculpa se algo não for assim tão fácil de compreender.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Você não faz ideia a alegria que senti lendo sua mensagem. As coisas acontecem por um motivo e suas palavras chegam como um bálsamo de esperança. Uma chama que me convoca a continuar escrevendo! Nós somos a história. E a história é feita de palavras. Por nós: que tocamos e somos tocados! Obrigada por isso. Estive morando em Portugal ano passado. Fui fazer uma parte do doutorado. Pretendo voltar. Amo esse lugar! Obrigada mais uma vez!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s